2019 Apr 23 / 15:10

A minha agradável experiência com Fallout 76

Comprei o Fallout 76 mais por curiosidade mórbida que por qualquer outra razão. Não sou especial fã de RPGs, o único tempo que tenho investido na franquia são meia dúzia de horas em New Vegas, não tenho paciência para jogos multiplayer permanentemente online onde podem vir lixar o meu jogo e tenho evitado jogos onde tenha de investir muito tempo. Então está tudo dito, isto é para esquecer. Bem, na realidade em pouco mais de uma semana já meti quase 40 horas no jogo, e ainda nem acabei de explorar a primeira área…

No momento em que escrevo este texto Fallout 76 tem uns respeitáveis 52 pontos em 100 nas avaliações dos críticos na Metacritic e 2,5 em 10 na avaliação dos utilizadores. Tudo pontuações respeitáveis e perfeitamente esperadas num jogo AAA. Isto é um factor de bom prognóstico e eu tinha noção disso, mas o conceito do jogo intrigava-me, e como agora as chaves são relativamente baratas, acabei por comprar uma esperando umas boas risadas e, na melhor das hipóteses, filmagem para uns vídeos divertidos.

A minha experiência começou mal, porque o computador reconheceu que eu poderia jogar isto perto de full specs, e na realidade não vejo porque não o posso fazer, mas na prática o jogo começou a correr a 20/30 FPS na minha 1070, e por muito que baixasse as specs o jogo permanecia basicamente igual e mesmo assim com framedrops assustadores que me chegavam a 15. Primeiras impressões registadas, sou um atrasado mental, para que é que gastei o dinheiro no jogo? Contudo lembrei-me de meter o programa da gráfica a optimizar-me os gráficos automaticamente e com a simples diminuição da resolução tudo corre agora no máximo a 70/80 FPS. Ainda noto framedrops, mas para 60. São, mesmo assim, notórios, embora esporádicos.

Graficamente fica óbvio que não está ao nível daquilo a que já ando habituado, mas lembrem-se que sou o gajo dos Indies, e como agora analiso alguns jogos na consola começo a estar dessensibilizado para a beleza gráfica. É um mundo detalhado sim, com ambientes bem inseridos e criados. Não é preciso estar perto para ver os atalhos, praticamente a qualquer distância se percebe o grão. Há gliches em toda a parte, e lembrem-se que o mapa é permanentemente igual, por isso deveria haver tempo para corrigir muitos dos erros. Esta qualidade gráfica mediana deixa, no entanto, perceber perfeitamente o que dá para interagir ou não, assim o jogo decida que podemos interagir com um objecto, pois frequentemente temos de passar anos a procurar o sítio certo para interagir com algo que está mesmo à nossa frente, e outras vezes acabamos mesmo por nem conseguir fazê-lo.

O gunplay é surpreendentemente assertivo para jogo survival. Obviamente está a anos luz de um shooter, mas cada arma parece diferente, e é perfeitamente perceptível em que situações devemos usar cada uma delas. É, no entanto, aborrecido andar sempre a repará-las. Não que haja falta de material para o fazeres, mas mesmo porque é aborrecido. Na prática usas sempre a mesma arma, e embora haja algumas cartas que te deem a chance de se repararem sozinhas, acabamos por passar algum tempo de volta duma mesa de reparações. Irrita-me também um pouco tudo quanto é mutante conseguir disparar contra mim de todo o lado, quando muitas vezes estão completamente invisíveis atrás do cenário. Como nos acertam os tiros? Creio que por alguma espécie de magia negra. Embora raramente o cenário lhes permita disparar atrás de cobertura, é muito frequente não fazermos ideia onde estão, mas mesmo assim estão a disparar, embora não nos acertem. Contudo há um prazer diferente em pegar numa machete e ir arrumando com hordas de inimigos em combate corpo a corpo, e para ser honesto, é mesmo um bocado overpowered no nível em que jogo.

Então só estás a confirmar que o jogo é mau. Epá, vamos com calma, deixem-me falar! Fallout 76 tem um mundo que estou a gostar de explorar. Por norma entro num jogo, faço a história principal, arrumo para o lado. Se me perguntarem já não faço puto de ideia do que é a história principal deste jogo. Na verdade, cada vez que começamos a explorar acabamos a encontrar uma outra linha na história que queremos explorar. Quando acabamos essa ficamos perto doutra que parece interessante. Houve alturas que me sentei e disse para mim mesmo que ia fazer uma missão, acabando invariavelmente a fazer algo completamente diferente.

Saí múltiplas vezes à procura dum local bonito para finalmente deixar de ter uma barraca e construir uma base em condições, mesmo detestando esta mecânica de construção (o Rust habituou-me mal), mas acabava sempre por encontrar um defeito, ou não havia água, ou não havia vendedores, ou estava muito perto do Vault para onde podemos fazer fast travel gratuito, e com o tempo fui fazendo uns remendos. Adicionei um par de decorações, fui plantando uma horta que agora ocupa uma área bastante grande e é a minha maior fonte de comida e dinheiro, adicionei água, geradores, defesas… parece que vai ficar a ser a minha base por uns tempos. Não ajudava também descobrir algo interessante ao virar de quase todas as esquinas, o que inevitavelmente me desviava dos planos iniciais.

E sabem o melhor? A comunidade é fantástica. Quase todos os dias alguém se aproximava para me ajudar, explicar mecânicas, builds, ajudar em missões, dar algum do seu loot. Agora já não acontece tanto, mas mesmo assim quando me aproximo dum grupo para me "colar" à sua missão e também receber a recompensa acabam sempre por me receber amigavelmente, e consoante o seu nível até me chegam a dar o que ganharam. Jogo essencialmente sozinho, mas se convido alguém para se juntar raramente não aceitam, nem que seja para uma missão apenas, não há desvantagens. Esperava ser atacado muitas vezes, mas até agora nem uma. Parece-me claramente um jogo comunitário, e para quem vem do Rust a comunidade é fenomenal. Quando me estavam a ajudar a conquistar uma workshop um dos adversários que deveríamos matar fez spawn debaixo do chão, inviabilizando assim a missão. Rapidamente os outros se juntaram e deram-me uma data de itens para que não ficasse sem nada e foram embora. Nem por uma vez senti necessidade de comprar seja o que for.

Ainda vou na primeira área. Raramente me aventuro muito para fora desta pacata segurança, até porque ainda tenho cerca de 1/5 dela para explorar, mas espero um dia ser eu a ajudar também a malta mais nova. Também não esperava vê-lo mas todos os dias vejo novos jogadores.

Ando tão entusiasmado com isto que nunca cheguei a filmar um minuto de jogo sequer. Estou aqui sentado a escrever e a pensar que tenho de fazer isso. Nem um streamzito sequer.

Assim concluo o meu pequeno artigo. Fallout 76 é um jogo cheio de bugs e glitches. Bethesda a ser Bethesda. Agora que a atenção negativa parece ter dissipado parece que há aqui algum espaço para crescer. No que me toca acho que têm um ambiente bem criado e uma data de histórias interessantes para explorares. Não é um jogo AAA, nem vale o valor de rosto, mas também já ninguém o vai comprar por esse valor, e por 10 euritos acabas por ter um mundo imenso para explorar. Estéril e sem vida? Depende do ponto de vista. Nunca me senti sozinho e jogo sozinho. Agora deixem-me lá voltar ao jogo com a desculpa de filmar um bocadinho para depois fazer o vídeo… Raios que nunca gostei tanto dum jogo tão mau...